O 2° Encontro SEMBA SAMBA acontece em:

29 de novembro de 2016

Programação

29 de novembro de 2016 – Terça-feira – de 13 às 18 horas

Local: IFCS – Instituto de Filosofia e Ciências Sociais/UFRJ
Largo São Francisco de Paula, 1 – sala 106 – Centro – Rio de Janeiro/RJ

Produção: Conexão Africa Produções

Produção executiva: Gustavo Almeida

13:00h Abertura com José Sérgio Leite Lopes (diretor do CBAE) e Cesar Gordon (diretor do IFCS)

Mesa I )

1) Ritmos e Gêneros Brasileiros

Oscar Bolão Pellon – músico, pesquisador, escritor: "Isso não é aquilo e bossa nova não é samba"

Luis Felipe de Lima – músico, escritor: “A síncope africana no violão brasileiro - uma identidade mestiça."

Gabriel Improta – músico, cientista social: O sambajazz de Moacir Santos – a cozinha afro-brasileira no samba moderno.”

Mediação: Ana Celia Castro

2) "Tambor, Marrasamba e Circularidades"

A mesa aborda o movimento de pessoas e grupos e sua associação com a circulação de sonoridades, conhecimentos e performances em dois sentidos principais: inicialmente, através da trajetória do músico e educador maranhense Cacau Amaral e de seu envolvimento com os mestres Felipe, Leonardo e Nivô veremos como o Tambor de Crioula se desloca do Maranhão para as principais capitais do sudeste, como São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte assumindo novos significados; em seguida, o músico e pesquisador Sergio Castanheira relata sua experiência de pesquisa e intercâmbio com músicos moçambicanos em torno do projeto Marrasamba, que busca o diálogo entre aspectos da marrabenta moçambicana e o samba carioca.

Sergio Castanheira – trombonista, baixista, compositor e arranjador; responsável pelo projeto "Carnaval Céu na Terra: Brasil-Moçambique";

Cacau Amaral – musico e educador, Mestre de tambor de Crioula; um dos fundadores do coletivo “As Três Marias”.

Mediação: Wagner Chaves, antropólogo, pesquisador

3) Atlântico negro

Martha Abreu – historiadora, pesquisadora, escritora: “Canções escravas no Atlântico

Negro (Brasil e Estados Unidos, 1890-1910)”.

Ricardo Vilas – músico, compositor, antropólogo : “África-Caribe, as novas músicas da contemporaneidade; o caso zouk-kizomba”.

Geovani Carvalho – bailarino, coreógrafo e intérprete: A dança da kizomba

Mediação: José Sérgio Leite Lopes

Mesa II

1) Na bossa da bateria: ritmo e inovação nas baterias cariocas

A mesa terá como foco os processos criativos operados pelos integrantes das baterias escolas de samba do Rio de Janeiro. Os debatedores irão abordar os conceitos de criatividade e inovação tal como surgem dentro do contexto da disputa carnavalesca. Tomando como ponto de partida uma discussão sobre a chamada “paradinha funk de mestre Jorjão” - tema do livro de Spírito Santo -, os debatedores irão examinar, a partir de diferentes perspectivas, como as noções de continuidade, mudança, tradição e criatividade se manifestam nos tambores, nos ritmos e no rito das baterias de escolas de escola de samba.

Felipe de Barros – antropólogo, músico

Spírito Santo – músico, pesquisador, artista e artesão

Guilherme Oliveira – músico, diretor de bateria do Salgueiro e do grupo 2 Santos.

Gustavo Oliveira – músico, diretor de bateria do Salgueiro e do grupo 2 Santos.

Mediação: Felipe Barros

2) Os sons e os movimentos digitais da globoperiferia

Esta mesa tem o objetivo de criar um diálogo entre artistas e pesquisadores de funk e kuduro. Os temas se centram nos modelos de criação, autoria, relação som-movimento, circulação de informações, autorepresentação e comunicação entre telas.

Tatiana Bacal – antropóloga, IFCS

Emílio Domingos – cineasta

Mylene Mizrahi – antropóloga, IFCS

Cebolinha – dançarino/coreógrafo – Passinho

Geovani Carvalho, dançarino/coreógrafo Kuduro.

Mediação: Tatiana Bacal

3) Africa musical contemporânea

Stephanie Malherbe – comunicadora, pesquisadora de musica e cultura africanas, blogueira: “Rap e musicas populares africanas contemporâneas”.

André Sampaio – músico, cientista social: “Tradição e modernidade na música africana e diásporica contemporânea”.

Mateus Berger Kuschick – Músico, Doutor em música popular/etnomusicologia: “O Semba em Conexões com Expressões Sonoras do Atlântico Negro”

Mediação: Ricardo Vilas

Apresentação musical no pátio do IFCS.

Organizadores Institucionais